Cuiabá - MT, 20-08-2022 às 01:14

Projeto ‘Diga Não à Pornografia’

Projeto de educadora Letícia Balducci, oferece palestras em escolas sobre o risco de conteúdos impróprios na internet. A iniciativa foi selecionada no edital MT Nascentes da Secel-MT

Educadora Letícia Balducci | Creditos: Divulgação

Em tempos de fácil acesso a meios digitais de informação, práticas culturais banalizadas, como a pornografia, podem trazer sérios riscos a crianças e jovens. Para projeto ‘Diga Não à Pornografia’ o projeto ‘Diga Não à Pornografia’ oferece palestras gratuitas nas escolas públicas e privadas sobre o tema. A iniciativa, que tem como público alvo estudantes a partir de 12 anos, acontece em ambiente online, e pode ser agendada pela internet (link aqui).

Encabeçado pela educadora, escritora e pesquisadora Letícia Balducci, o projeto foi selecionado na categoria Culturas Urbanas do edital MT Nascentes, promovido pela Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (Secel-MT). O objetivo do trabalho é proteger as crianças de predadores sexuais que rondam diversos ambientes da rede de computadores e ainda orientá-las sobre os perigos de se consumir conteúdo adulto.

De acordo com Letícia Balducci já é comprovado cientificamente que o acesso a este tipo de material pode trazer danos imediatos como ansiedade, depressão, mudanças comportamentais e sexualização precoce. “A longo prazo, o impacto do acesso contínuo a materiais pornográficos pode alterar a rede de conexões neurais, causar vício e dificuldades no relacionamento com outras pessoas”, explica.

A especialista defende que a situação deve ser discutida dentro da escola e com uma linguagem e técnicas adequadas. “Para alguns pais, na tentativa de salvaguardar os filhos, o assunto é um tabu. Muitos defendem que isso pode antecipar a sexualização da criança e adolescente. Mas essa atitude acaba levando o adolescente a ter como única fonte de informação a Internet”, conclui.

Por que pesquisar sobre os efeitos da pornografia?

Letícia Balducci conta que quando começou a lecionar, viu pela primeira vez uma criança de 9 anos consumindo conteúdo adulto. Naquela ocasião, o computador do laboratório de informática da escola era usado para este fim. Com o tempo, outras cenas em ambiente escolar foram impactando a pesquisadora, como a cantoria e coreografia de músicas que exaltavam a sexualização. Quem dançava nem sempre tinha a percepção dos gestos que performava, apenas reproduzia.

Depois, com a popularização dos celulares e jogos, a situação ficou ainda mais preocupante e a pergunta que não saía de sua mente era “o que posso fazer para combater isso?”.

Então, começou a fazer pesquisas e trilhar um caminho de conhecimento que a levou a construir o Instagram @especilistaX. No espaço, a educadora compartilha informações e dá dicas de como se desvencilhar do vício em conteúdo pornográfico, como controlar a entrada do material dentro do ambiente domiciliar e afastá-lo das crianças.

Agora, a proposta é ir para o contato direto com as crianças, que são vítimas em potencial deste tipo de conteúdo e prevenir, por meio da educação, a ação de predadores sexuais.

Serviço

Palestra gratuita “Diga Não à Pornografia”

Custo: gratuito

Inscrição de escolas: https://materiais.livrementeescolas.com.br/lp_especialista-x

Deixe seu comentário!

O Jornal Rosa Choque não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.

Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Todos os campos marcados com é de preencimento obrigatório.